O que está procurando?

Post: 44 - | - Visitas: 26 - | - Data: 14/11/2017

Resgatando a História da Cidade de Baixa Grande-Ba

Assim como a maioria das cidades brasileiras, Baixa Grande surgiu ao redor de uma capela, as margens de uma estrada, num ponto que servia de pouso aos viajantes e suas tropas. As terras eram da fazenda “Cais” propriedade de Dona Ana Ribeiro Soares. Foi fundada  pelo Coronel da Guarda Nacional, Manoel Ribeiro Soares, por volta   do ano de 1860 a 1861. Por intermédio do fundador, e demais famílias, no ano de 1872 pela Lei Provincial  Nº 1195, o arraial de Baixa Grande foi emancipado  e desmembrada do município de Santana do Camisão, (atual Ipirá).  Está Localizado na Grande Região da chapada Diamantina na mesorregião do Centro Norte Baiano, microrregião de Itaberaba Bahia e está incluída nas 14 cidades que formam a Bacia do Jacuípe.

 

Fazenda Cais Gênese  de Bx. Grande

De acordo com o livro "Vida de Baixa Grande" de Judite Soares de Sousa e Azevedo, Dona Ana Souza Santos tinha um costume de  todo mês de Setembro ir a Monte Alegre ( atual Mairi) Pagar  Promessas a santa de sua devoção nossa Senhora das Dores. Saindo da fazenda Cais com todos os seus  rumo a esta longa viagem, em uma carroça, puxada por dois burros ou pelos  seus escravos. Na volta desta cansativa viagem Pararam na estrada em uma "baixa grande"  para descansar e almoçar. Logo depois,  encantada com aquele lugar fez um pedido a seu filho mais velho Manoel Ribeiro Soares: "meu filho estou velha e cansada de viajar para Monte Alegre, seria bom que construísse aqui nesta "baixa grande" uma capela". O filho questionou quanto ao local, contudo fez a vontade de sua mãe.  Imediatamente ele ordenou aos  seus escravos que desbravassem as  matas, onde daria  início a construção da capela.   Neste local encontra-se atualmente a Igreja matriz de Baixa Grande construída por volta do ano de 1860.

 

RESQUÍCIO DE COLONIZAÇÃO NA CIDADE

Local onde Dona Ana, com seus familiares realizavam suas orações. Naquela época, a religião deveria ocupar local de destaque além de  ser obrigatória a sua prática assídua.

Este objeto  de  madeira chama-se oratório,  encontra-se na antiga sede da fazenda Cais. Portanto, levando-se em consideração a religiosidade em torno da fundação desta cidade (Baixa Grande), entende-se que este é um resquício muito marcante da colonização da mesma, visto que a festa em homenagem a nossa senhora da Conceição ainda é um traço religioso muito importante atualmente.

Na religião,  destacam-se ainda as práticas   em louvor aos santos, a exemplo de São Roque festejado em 16 de Agosto. A festa de Nossa senhora da Conceição já citada anteriormente que é celebrada dia 8 de dezembro fica como herança histórica daquela  devoção da fundadora da cidade. Temos também uma  influência dos  adeptos do candomblé que vem sobrevivendo com seus gestos culturais mesmo diante de vários preconceitos sendo uma herança histórica deixada pelos Africanos.

Atual Igreja Matriz

 

Resquícios da presença de escravos na fundação de Baixa Grande

 

Nesta área,  ficavam os escravos, na parte de baixo da casa grande,  uma espécie de senzala, Também em estado de conservação na sede da referida fazenda Cais.

Senzala da Fazenda Cais

Resgatando a História de Baixa Grande - BA - Entrevista Seu João Oliveira

Na entrevista concedida pelo senhor João da Silva Oliveira, antigo morador da cidade, ele que pertenceu ao quadro da policia civil, na função de escrivão, autor do livro “Baixa Grande em versos”, alguns versos publicados no Diário Oficial do Estado da Bahia, na página de cultura, sendo este seu primeiro livro a ser publicado. De acordo com a visão de João Oliveira, para estudar a História precisamos retroceder ao passado para que assim possamos compreender o presente. É dessa forma que o entrevistado descreve a colonização de Baixa Grande trazendo novas descobertas problematizando fatos que ficaram encoberto pela subjetividade da história a exemplo do porque da vinda da dona Ana para a fazenda cais, Gênese de Baixa Brande. Nessa perspectiva se observa que assim como na história do nosso país os responsáveis pela execução do trabalho pesado foram os escravos, mais uma vez menosprezados por uma visão etnocêntrica da História.

 

Fotos que recordam os primeiros tempos da Cidade

Observa-se a Igreja já construída e em andamento. Apenas algumas residências ao redor. A arquitetura da igreja bem como de algumas residências neste local continuam preservadas.

O antigo Comércio Feira livre 

Nesta foto se observa os primeiros tempos da colonização. A área ainda em estado de construção.

Inicio do Povoamento

Residência com perfil Colonial


Local onde é hoje a Estrada do feijão

 

 

Fonte: http://vanderuneb2011.blogspot.com.br/

Design: Catu Informática | Ediomário Catureba

Rua Joel Campos, 125 - Alto de Guinho - Baixa Grande - BA

E-mail: ediomario@baixagrande.net - Tel: 74 99962 3779


utilizadores online